Conhecer os costumes de chineses ajuda mais...
FOLHA DE S. PAULO epecial
São Paulo, sexta-feira, 28 de janeiro de 2011
     
Conhecer os costumes de chineses ajuda mais do que saber mandarim

Jantar de negócios sem gafes causa boa impressão em clientes da China, que falam inglês 


     

A professora de mandarim Liang Yan, 47, dá aula de costumes chineses à mesa para alunos do Chinbra, no restaurante Chi Fu, na Liberdade (centro) 


LUIZA CAIRES

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA 


Com o crescente intercâmbio comercial entre Brasil e China, aumenta também a curiosidade pelo mandarim, idioma oficial dos chineses.

 

Para alguns profissionais, dominá-lo soa como ponto a favor no currículo. Especialmente para quem ocupa cargos de gerência e vislumbra a possibilidade de fazer negócios com os asiáticos.

 

Ou de trabalhar em multinacionais que se instalaram aqui, como a Chery (automóveis), a Gree (condicionadores de ar), a ZTE e a Huawei (telecomunicações).

 

"Muitas vezes um cliente internacional é importante o suficiente para que se contrate alguém que fale sua língua", afirma a "headhunter" Isabela Tuca, da RH Internacional. Ela ressalta, porém, que essa não é uma exigência da maioria das companhias.

 

Em conversas com chineses, o idioma oficial é o inglês. Mas é bom conhecer sua cultura. "Não fazem negócios sem antes fazer amizade, marcar um jantar", diz Liang Yan, professora da escola de mandarim Chinbra.

 

Conhecer os costumes ajuda a evitar gafes como se servir primeiro e convidar e querer dividir a conta, explica Yan. "Na China, é considerado desrespeito não levar cartão de visitas ou entregá-lo com uma mão só", concorda Schan Schan Fei, professora do curso de mandarim da Faap (Fundação Armando Alvares Penteado).

 

O gerente de exportações José Perez, 50, foi à China e diz que clientes chineses gostam de ver o esforço alheio para se comunicar em seu idioma, mas que a maior parte dos diálogos é em inglês.

 

Já a estudante de relações internacionais Nicole Pasian, 20, acrescenta que saber um pouco de mandarim ajuda até a entender o inglês dos chineses. "Eles falam com muito sotaque", diz.

 

 

MUNDO ÁRABE

 

O mundo árabe também se destaca nos negócios com o Brasil. Mas, para o consultor Werner Kugelmeier, não é preciso falar as línguas dos países para trabalhar em empresas que têm relações comerciais com os árabes.

 

Como no caso do mandarim, saber algumas palavras cria um clima amistoso e pode facilitar negociações.

 

O mais importante, no entanto, é aprender sobre sua cultura. "Falar inglês, que é o idioma oficial dos negócios, é encarado com normalidade. Mas se comportar de forma inadequada para as regras islâmicas, não", comenta.



http://www1.folha.uol.com.br/fsp/especial/fj2801201102.htm


 

 
03/05/2009 17:01

Nesta area aparece o conteudo da sua pagina


Preencha os campos abaixo e indique a um amigo:
Seu Nome:
E-mail do seu amigo:
 

       
© 2005-2008 Chinbra
Copyright(c) Chinbra todos os direitos reservados
Chinbra Centro de Língua e Cultura Chinesa